Voltar

Notícias e Eventos

Últimas entradas sobre a nossa atividade

24 novembro 2019

O que é a vasectomia?

A vasectomia é um pequeno procedimento cirúrgico que consiste na laqueação (secção) bilateral dos canais deferentes, suprimindo a comunicação entre os testículos e a uretra, e cujo objetivo é eliminar a presença de espermatozoides no sémen.

É o método contracetivo mais eficaz, excluindo a abstinência (eficácia superior a 99%), sendo por isso uma das opções disponíveis ao nível do planeamento familiar. É fundamental ter o conhecimento de que não é um método de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, devendo ser por isso mantidas as precauções habituais, nomeadamente a utilização do preservativo. Deve ser sempre encarado como método definitivo (a reversão do procedimento implica uma nova intervenção cirúrgica, que é complexa e apresenta taxas de eficácia moderadas). Sendo assim, é preciso ter a certeza absoluta de que não se pretendem filhos, sendo sempre aconselhável uma decisão conjunta com a parceira (embora não obrigatório).

Ainda assim, é possível a realização de técnicas de reprodução assistida que implicam a colheita de espermatozoides diretamente do testículo. Reforça-se no entanto que estas técnicas não são sempre eficazes, não estão muitas vezes facilmente disponíveis e apresentam custos elevados.

A técnica cirúrgica mais frequentemente utilizada, e também a mais eficaz, consiste na realização de duas pequenas incisões escrotais através das quais é possível aceder aos canais deferentes. É realizada na grande maioria dos casos em regime de ambulatório (não necessita de internamento) sob anestesia local, sedação, loco-regional ou geral. Não apresenta alterações estéticas relevantes. A taxa de complicações é extremamente baixa e inclui o hematoma ou a dor crónica. Não afeta a líbido, assim como não perturba a função eréctil, a ejaculação (o volume de sémen não é afetado) ou o orgasmo. Os níveis hormonais não são também perturbados uma vez que se mantém a normal produção de testosterona.

O tempo de recuperação é também curto, sendo na maioria dos casos possível retomar a atividade física e profissional no dia seguinte à intervenção. Não está também contra-indicada a atividade sexual. No entanto, é fundamental a utilização de outro método contracetivo no período imediato ao procedimento, dada a possibilidade de existência de espermatozoides no sémen durante várias semanas. É obrigatória a colheita de uma amostra de esperma para confirmação da eficácia do procedimento (espermograma), habitualmente às 12 semanas. Por vezes é necessária a sua repetição após um período mais prolongado. Reforçando a irreversibilidade do procedimento, é sempre aconselhável a consulta com um urologista, com vista a uma decisão bem informada e específica para cada caso.

Redigido por Dr. Alexandre Resende (OM44860), Urologista no Trofa Saúde Hospital em Braga Norte, Braga Sul, Gaia e Guimarães

Voltar

15 janeiro 2020

Dificuldades de aprendizagem: quando procurar ajuda médica?

08 janeiro 2020

Cefaleias (“Dor de Cabeça”): situações urgentes a resolver

05 janeiro 2020

“Joanetes”: mitos e verdades – Técnicas cirúrgicas atuais